Decorreu no passado dia 4 de Setembro a inauguração oficial do Lar. Contámos com a presença de muitos amigos, conterráneos e ainda várias entidades governamentais. Foi um momento histórico para esta nossa Associação! Eis o discurso proferido pelo Sr Presidente da Associação Joaquim dos Santos Fernandes.

Excelentíssimo Sr. Secretário de Estado da Segurança Social
Excelentíssima Sra. Governadora Civil do Distrito da Guarda
Excelentíssimo Sr. Director Regional da Segurança Social
Excelentíssimo Sr. Vice-Presidente da Câmara Municipal de Almeida
Excelentíssimo Sr. Deputado da Assembleia da Republica
Excelentíssimos Srs. Directores dos Serviços Descentralizados do Distrito (Centro de Emprego, INATEL, IPJ, Segurança Social, CCDR)
Caros Conterrâneos, Minhas Senhoras, Meus Senhores,

É uma honra recebe-los mais uma vez na nossa terra, num dia marcante como este.

Muitos dos presentes sabemos que fizeram esforço particular para se juntarem a nós neste acto, que é o coroar de um caminho que percorremos conjuntamente nas contrariedades e acima de tudo nos muitos sucessos.

Lembramos especialmente com emoção e saudade os ausentes que já partiram, que foram pioneiros desta obra que nos obrigamos prosseguir em sua memória.

Lembramos também os que, por motivos de saúde ou obrigações profissionais, não têm o privilégio de partilharem connosco a alegria que sentimos.

Excelências, minhas senhoras e meus senhores

Permitam-me que lhes faça uma breve retrospectiva do percurso da ADCS

Da ideia inicial de construir um pequeno salão de convívio e apoio social, evoluímos naturalmente para uma abordagem de intervenção mais abrangente, direi mesmo inovadora e coerente, compatibilizando múltiplas funcionalidades adequadas às necessidades e contexto da nossa freguesia e do concelho de Almeida.

O resultado desta evolução, está à vista…

A Sede, O Polidesportivo, A Piscina, O Anfiteatro, Os Bungalows, O Parque Desportivo e a menina dos nossos olhos, O LAR, cuja inauguração que nos traz hoje aqui.

Como foi possível concretizar todas estas realizações, sendo nós uma pequena Aldeia, de população envelhecida, parcos recursos, com percursos de vida dura…, direi mesmo por vezes madrasta ???

Em primeiro lugar a população da Aldeia contribuindo , com ideias e iniciativas, apoios em espécie, voluntarismo e acima de tudo disponibilidade para não se conformar com fatalidades e aceitar novos desafios. Paralelamente, emerge no seu seio a liderança de uma equipa dinâmica que soube interpretar as necessidades sociais do Concelho e da Freguesia. É pertinente frisar que, com muito esforço pessoal, sobrepondo os interesses colectivos aos pessoais.

Em segundo lugar, os nossos projectos sendo de cariz social, integram uma forte componente de dinâmica de sociedade civil, conseguindo desta forma mobilizar e associar à nossa causa mais recursos e motivar entidades privadas e públicas bem como as pessoas a titulo individual.

Fazendo uma retrospectiva do caminho percorrido, todos sabemos que o percurso não foi fácil e também tivemos que enfrentar os presságios dos velhos do Restelo… Felizmente hoje podemos afirmar inequivocamente que a nossa estratégia foi acertada.

Fazendo uma visita às nossas infraestruturas, podem concluir que têm utilidade (podem ter a certeza de que não são elefantes brancos) são autosustentáveis e correspondem as necessidades locais e regionais no domínio social, entendido nas vertentes da terceira idade, da juventude, proporcionando desta forma a integração intergeracional que se pretende seja solidária.

Revisitando as nossas infraestruturas em particular, temos

A SEDE Social, com valências multifuncionais é a montra do nosso acervo histórico. (Aqui realizamos acções de Formação, espectáculos, sessões públicas, etc.)

O Polidesportivo e Piscina, com taxas de ocupação muito elevadas como muitos dos presentes já puderam confirmar enquanto utentes assíduos.

Os Bungalows, têm-se revelado uma infraestrutura relevante no apoio às actividades da ADCS.

O LAR da Terceira Idade, (a jóia da coroa do nosso projecto). Esta obra desenvolveu-se ao longo de 10 anos. Foi um processo longo e doloroso. A dimensão e complexidade da obra obrigou-nos a reequacionar o modelo de intervenção e tivemos que bater às portas dos nossos parceiros, que nos congratulamos associar a esta inauguração. Foi um momento difícil. Todos responderam positivamente, pois outra coisa não seria de esperar, quando partilhamos ideias comuns sobre o processo de desenvolvimento, forma de organização da sociedade, politicas e instrumentos de intervenção. Se não houvesse esta resposta adequada e no momento certo por parte das entidades publicas e do Governo, posso afirmar categoricamente que não estaríamos hoje aqui celebrar este evento. Por isso também quero afirmar inequivocamente que nós não o esquecemos e saberemos reconhece-lo nos momentos próprios.

Incluímos neste grupo os nossos amigos o Sr. Deputado da AR do Distrito da Guarda, Dr. Fernando Cabral, o Dr. Orlindo Vicente e o Sr. António Frias, incansáveis na abertura de portas e contactos.

Acho oportuno transmitir aos presentes alguns indicadores sobre o LAR para avaliarem o balanço e risco que envolveu.

O investimento global do projecto foi de 1,5 milhões de euros, para os quais contámos com:

* 200,000 euros da SS, tiveram o selo do Sr. Secretário de Estado Pedro Manuel Dias de Jesus Marques, para o qual peço uma salva de palmas;
* 500.000 euros com recurso a crédito de 15 anos à CGD,;
* Os restantes 850.000 euros resultaram das contribuições da população, sócios, amigos e muito trabalho não remunerado dos membros da ADCS que aqui laboraram dia e noite com sacrifícios pessoais e familiares.
* Nesta contabilidade, há a registar ainda situações de dividas a fornecedores que acreditando na nossa palavra e no valor da obra feita, nos concederam esta facilidade. Destacamos as obras referentes aos arranjos exteriores e ao equipamento.

Estamos conscientes dos riscos que assumimos e mais que nunca, confiamos nas pessoas e entidades que nos têm apoiado. Todos juntos vamos conseguir ultrapassar este bloqueio direi que ainda é asfixiante. Nesse sentido, fazemos desde já um apelo ao Senhor Secretário de Estado, que como sempre irá dedicar especial atenção e em tempo útil a esta nossa aflição. Referimo-nos especificamente à candidatura que submetemos ao POPH, medida 6.12 dirigida ao apoio para conclusão dos arranjos exteriores e aquisição de equipamentos e mobiliários fundamentais para cumprirmos cabalmente os requisitos de qualidade e eficácia dos serviços que prestamos.

Como já referimos, nós sabemos reconhecer quem foi , é e desejamos que continuem a ser nossos parceiros e amigos, com sugestões e com recursos. É justo referir aqui as entidades e pessoas que merecem este nosso reconhecimento,

E desde já pedimos desculpa a todos aqueles que na medida das suas disponibilidades e capacidades deram o melhor que foi lhes foi possível.

Permitam-me todos os que se incluem neste grupo de amigos destacar:

O Sr. Carlos Manuel Reis Almeida com equipamentos e materiais muito importantes para o funcionamento do LAR.

O Sr. Norberto Azevedo (SONOR), com materiais e equipamentos

O Sr- Zacarias, O Ecomarché, e A Farmácia Moderna

E tantos outros…


Apresentadas as nossas realizações físicas, importa avaliar e identificar quais são os impactos objectivos das nossas realizações:

No âmbito do RSI

Reconhecendo as nossas competências e vocação social da ADCS, foi-nos atribuída a gestão do RSI para os concelhos de Almeida e Pinhel que vimos gerindo desde há 2 anos, estando garantida a continuidade por igual período, com decisão fundamentada na base do nosso bom desempenho, reconhecido pelos utentes e entidades de tutela.

Neste âmbito queremos agradecer ao Dr. PIRES VEIGA que, reconhecendo o nosso mérito e acreditando nas nossas capacidades, não se coibiu de enfrentar corajosamente a oposição de entidades, traduzida em conferencias de imprensa, denuncias difamatórias e publicidade danosa. A prática e o nosso desempenho deu-lhe finalmente razão. O nosso muito obrigado Dr. Pires Veiga.

A abrangência do RSI sendo inicialmente de 100 beneficiários situa-se agora em 180.

É bom referir que embora o universo de beneficiários tenha aumentado quase 100% a mesma equipa demonstrou capacidade, embora com algum sacrifício, para responder as novas exigências, assegurando simultaneamente o contacto com idosos para o complemento solidário para idosos. Neste âmbito foram objecto de avaliação 400 processos dos quais 190 foram considerados elegíveis traduzindo-se em acréscimos nos seus rendimentos mensais.

Ainda no âmbito do RSI. Registamos importantes protocolos e parcerias com entidades públicas e privadas actuando de forma articulada e complementar.

Um outro impacto, talvez o mais importante das nossas intervenções é

A criação de emprego, num concelho em processo lento de desertificação. Consideramos que este objectivo é a forma mais eficaz para inverter esta tendência. O Sr. Secretário de Estado sabe-o muito bem, a avaliar pelos importantes instrumentos e medidas que tem tomado para promover o emprego bem como o seu impacto na prossecução da estabilidade social no grave momento que vivemos.

Objectivamente, Criámos 25 postos de trabalho permanentes, envolvendo grande parte das freguesias do concelho.

O emprego que criámos não é político, é produtivo, por socialmente útil, sustentável, porque infelizmente a tendência para o envelhecimento da população exigirá a criação de mais funcionalidades.

Relativamente ao nosso modelo de intervenção registamos a adopção de critérios e princípios que nos são queridos, a saber:

A qualidade é para nós um quadro de referencia do nosso modelo de intervenção em todas as actividades ….Os utentes e familiares beneficiários das nossas actividades sabem que nos orientamos por padrões de segurança, modelos e regras internacionalmente aceites, de qualidade de vida digna para quem muito sofreu ao longo da vida, de princípios de equidade, numa palavra …. da responsabilidade social


A protecção do ambiente e do património: A desertificação das nossas aldeias não se situa apenas ao nível das pessoas. São as nossas casas que merecem ser preservadas, a nossa diversidade biológica, as nossas gravuras, enfim a nossa história.

A formação e qualificação das pessoas: Temos consciência que a qualificação gera competências que melhoram o nosso desempenho, geram novas oportunidades, são uma mais-valia na auto-estima e na qualidade de vida em geral (saúde educação, etc)

Neste domínio destacamos: O programa das novas oportunidades de que beneficiaram 25 participantes do 9º e 35 do 10º ano; Os 2 cursos EFA abrangendo 28 formandos, sendo um de geriatria e outro de assistente familiar e de apoio a comunidade; primeiros socorros; cursos de estanho, bordados, apoio ao idoso e tantos outros.

É justo referir que neste âmbito foram fundamentais os apoios ao incentivo à criação de emprego do MSS através do Centro de Emprego e Formação Profissional de Pinhel e Guarda.

Enfatizamos os cursos nas ovas tecnologias de que beneficiaram aproximadamente 100 pessoas. É com muita emoção que vemos que pessoas que pouco mais sabiam que ler e escrever, hoje dominam as novas tecnologias, usam-nas como instrumento de trabalho. O alcance desta medida é imensurável

A profissionalização de uma equipa… Nos nosso quadros contamos com quadros altamente qualificados para as valências que prestamos: Uma Directora Geral, Uma directora Técnica, um médico, uma enfermeira, uma responsável geral, uma animadora e 18 funcionários com competências bem definidas enquadrados.

As Férias em movimento frequentadas em permanência, utilizando todos os recursos da ADCS

Inserem-se neste âmbito, escolas, Grupos de jovens, grupos desportivos, intercâmbios nacionais e internacionais, campos de trabalhos ocupacionais, programas de inserção de jovens em risco em colaboração com a CPCJ local e várias do país (Chelas, Oeiras, Algarve, Pechão…)

Antes de concluir desejo manifestar muito pessoalmente ..

O nosso reconhecimento, ao Sr. José Coelho, tido por todos nós como modelo de referencia e de perseverança., na base dos princípios que nos orientam diariamente. O Sr. José Coelho encarna a herança dos que estiveram envolvidos em projectos marcantes da Aldeia de que nos resta a memória que veneramos e as obras de que todos beneficiamos

À Dr.a Maria do Carmo Borges, Digníssima Governadora Civil do Distrito da Guarda, reconhecemos a sua coragem, dedicação e exemplo que ao longo dos anos que temos partilhado nos tem dado. É para nós uma lição de vida que nos serve de exemplo, esperando poder contar com a sua disponibilidade para abraçar os nossos projectos em curso e os que temos em carteira.


Os nossos utentes também são interventivos, e é nossa prática assinalar as suas habilidades e os seus interesses.

Nas nossas actividades tentamos assinalar os marcos mais significativos dos nossos utentes Hoje mesmo temos uma aniversariante que completa 95 anos, para qual peço uma salva de palmas.

Peço a vossa paciência e atenção para ouvirmos os versos da D. Rosa nossa utente do LAR.

Muito obrigado a todos